Futebol Onipresente: “Merlí“ e os manifestoches da “Paraíso do Tuiuti“

0
878

Em mais de um episódio os personagens da série Merlí mencionam o futebol, até porque, a série se passa em Barcelona, palco de alguns dos maiores shows futebolísticos dos últimos anos.

É em outro contexto, no entanto, que o futebol aparece com mais contundência; quando Merlí incentiva seus alunos a organizarem uma partida de futebol em apoio a uma professora trans que não é muito bem recebida pela diretora conservadora da escola. No jogo, os meninos vão vestidos ‘de mulher’ e vice-versa. Cada episódio da série é ‘baseado’ no pensamento de um filósofo e, nesse caso, Judith Butler e a teoria de gênero é a apresentada.

Merlí é o verdadeiro anti-herói, mas seu estilo questionador, crítico e inclusivo é muito sedutor. Não dá pra torcer contra.

Falando de questionamento, crítica e inclusão, impossível não mencionar o desfile da Paraíso do Tuiuti, escola de samba do RJ que levou o enredo “Meu Deus! Meu Deus! Está extinta a escravidão?” para a Sapucaí, abordando a situação da população negra no Brasil e repleta de críticas sociais.

Um dos momentos de maior impacto foi a passagem da ala Manifestoches, que trouxe os famosos batedores de panela, adoradores do pato da FIESP vestidos com a camisa da CBF, retratados como fantoches nas mãos da mídia. Emocionante, mas triste.

#futebolonipresente