Archive for the ‘música’ Category

Dono da Bola – Armando Neves

Posted by Ricardo Roca On novembro - 28 - 2016ADD COMMENTS

ArmandoNeves
Armando Neves foi um dos grandes nomes do violão popular do Brasil. Antes de ser músico chegou a jogar futebol, tendo atuado pelo Primeiro de Maio, seu primeiro clube, além do Santo Amaro, do São Bento Futebol Clube e até mesmo em uma breve passagem pelo Corinthians. A partir de 1929 passou a dedicar-se exclusivamente à música.

Dono da Bola

Como não poderia deixar de ser, uniu suas duas paixões em um chorinho, aqui interpretado por Danilo Oliveira. Nasceu em Campinas em 28 de novembro de 1902.

#futebolemusica
#musicasdefutebol

Share Button

A canção “Eu sou do mundo, um vencedor” , que já está disponível para download no site do CPB , foi idealizada pelo jogador e pelos compositores Jhama e Pablo Luiz
RonaldinhoMundoVencedor
O embaixador paralímpico Ronaldinho Gaúcho, em parceria com os compositores e amigos Jhama e Pablo Luiz, presenteou o Comitê Paralímpico Brasileiro com uma canção para embalar os atletas nos Jogos Paralímpicos Rio-2016.

Já disponível para download no site do CPB e, em breve, nas rádios e em bibliotecas virtuais, a música “Eu sou do mundo, um vencedor” teve como inspiração, segundo Ronaldinho, a garra, a determinação, a coragem e a perseverança dos atletas paralímpicos. “Fizemos essa música pensando nos atletas, para dar muita força e muito ânimo. Eles são mais que vencedores, são super-atletas. Estarei na torcida”, disse o craque.

A ideia do embaixador é ajudar na divulgação dos atletas brasileiros e dos Jogos Paralímpicos Rio-2016. O Brasil vai em busca de um inédito quinto lugar no quadro de medalhas e conta com o apoio da torcida brasileira, que já comprou cerca de 1 milhão de ingressos para o evento.

“Quando o Ronaldinho falou com a gente e nos apresentou a música, imediatamente vimos que ela tinha tudo a ver com o espírito vencedor dos atletas paralímpicos. Esperamos que a torcida também goste muito do nosso hino”, disse o presidente do CPB, Andrew Parsons.

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro

Share Button

Mick Jagger NÃO torceu para Portugal, ele ainda é pé frio!
MickJagger
Fala galera, Fila Benário na área, o terror dos zagueiros caneludos!

No último domingo, dia 10 de julho, todos os olhos do mundo estavam voltados para decisão da Eurocopa 2016, na França. Os donos da casa disputavam o troféu com a seleção portuguesa de Cristiano Ronaldo, e foi o gol de Éder no segundo tempo da prorrogação que deu o título inédito e histórico para Portugal.

Além dessa notícia história e emblemática, os jornais do mundo todo noticiaram que o líder dos Rolling Stones, o cantor Mick Jagger, estava na decisão da Eurocopa e na torcida pela seleção portuguesa. E com o final do jogo e vitória de Portugal, essa seria a primeira vez na história em que Mick, que tem a fama de pé frio, torcia para um time campeão.

Maaaaas se a gente for parar para analisar os fatos, talvez essa fama de pé frio não tenha realmente chegado ao fim: no seu Twitter, antes da decisão, Mick Jagger compartilhou um vídeo, em seu twitter no qual ele diz:

– Aqui estamos nós na final da Euro, França X Portugal. Quem vai ganhar? Yeah!

A mídia, no geral, espalhou esse vídeo afirmando a torcida de Jagger pela seleção portuguesa. Mas na verdade ele não menciona torcer pra time nenhum, pelo contrário, ele faz uma pergunta: QUEM VAI GANHAR?

Ou seja, isso não prova que ele estava torcendo para Portugal.

Outro fato que argumenta ainda mais a “não torcida” por Portugal é a foto de Mick Jagger com um boné azul no meio da torcida francesa.
MickJaggerTorcidaFranca
Resumindo, Mick Jagger torceu para França e continua pé frio!!!

Relembre aqui a fama de Pé Frio do Mick Jagger
MickJaggerPeFrio
Frontman da mais importante banda de Rock de todos os tempos, os Rolling Stones. Um dos nomes mais rentáveis e lucrativos do show bussiness, além de ter se relacionado com um número sem fim de mulheres lindíssimas e encantadoras, Mick Jagger é do tipo que tem sorte em tudo, menos no jogo. A sua fama de torcedor pé frio começou na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Jagger, fanático por futebol, acompanhou o jogo da seleção da Inglaterra, na torcida pelo o seu país, mas viu do camarote a Alemanha massacrar a Inglaterra por 4×1.

Com a eliminação da seleção inglesa, Mick uniu ao seu filho Brasileiro, Lucas Jagger, e torceu para seleção canarinho, mas a torcida de Mick não deu sorte ao Brasil, a Holanda venceu por 2×1 nas quartas de final.
MickJaggerBrasil2010
Mick ainda insistiu na torcida e dessa vez declarou apoio a seleção Argentina, só que ele havia se esquecido que do outro lado estava a seleção Alemã, e mais uma goleada com quatro gols no saldo negativo de Jagger.

Na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, Mick Jagger, via Twitter, demonstrou apoio a seleção Inglesa.
MickTwitter1
Não precisa nem dizer o que aconteceu, a Inglaterra perdeu de 2×1 para Itália de Mario Balotelli.

No jogo seguinte, mais apoio de Mick no microblog:
MickTwitter2
E derrota pelo mesmo placar, só que dessa vez para o Uruguai.

E no dia que o torcedor brasileiro mais quer apagar da sua memória, no dia do maior vexame do futebol mundial, Mick Jagger não só fez questão de torcer para o Brasil como também de vir acompanhar o jogo de perto ao lado do seu filho Lucas, mas do outro lado estava a velha conhecida de Jagger, a Alemanha. O resultado não poderia ser outro: Goleada!
Mick7x1
Mick, que fez questão de sair do estádio logo após o primeiro gol da Alemanha, fez questão de frisar para a imprensa após o jogo: “Eu posso ser culpado pelo primeiro gol, mas não pelos outros seis”.

E nessa Eurocopa, Mick Jagger estava no estádio apoiando a seleção inglesa, que na ocasião jogava contra a Islândia, no vídeo abaixo é possível ver a sua demonstração de carinho:

Mas a Islândia virou o jogo, que estava empatado 1×1, e eliminou a Inglaterra da competição.

Com todo esse histórico azarado, agora compreendemos, mais do que nunca, porque Mick Jagger canta há mais de 50 anos o refrão: “Eu Não Consigo Ficar Satisfeito”.

The Rolling Stones – (I Can’t Get No) Satsfaction (Live) – OFFICIAL

Fila Benário ou Vinícius Vieira de Oliveira (como é menos conhecido) é estudante de Jornalismo da FACCAMP e entre uns goles de Sprite, um Rock bem pesado, filmes do Quentin Tarantino e o seu amor incondicional pelo Coringão, mantém o blog musical Fila Benário Music desde 2009.

Os textos e charges publicados na categoria CONVIDADOS, apresentam e refletem a opinião dos mesmos, não necessariamente alinhando-se com a do Blog Futebol-Arte. Sua publicação tem o propósito de apresentar diferentes pontos de vista e estimular reflexões e debates.

#futebolemusica

Share Button

Tite na seleção? É a mesma coisa que Dave Lombardo no Metallica!
Tite
Saudações queridos leitores do Futebol-Arte, Fila Benário na área para mais um “Fazendo Música, Jogando Bola”. Primeiramente, gostaria de pedir imensas desculpas a todos pela ausência da coluna no mês anterior, tive uns probleminhas pessoais e não tive tempo de me dedicar a esse querido espaço que tanto estimo, mas agora tô de volta pra ficar, pois aqui é o meu lugar, como cantava o Robertão.

E no mundo da bola não se falou em outra coisa no dia de ontem: a demissão do técnico Dunga do comando da seleção brasileira (em letras minúsculas mesmo), após mais um vexame histórico da mesma ao ser eliminada pelo Peru ainda na fase de grupos da Copa América.

Não precisava ter bola de cristal para saber que o retorno de Dunga à seleção era inviável, desnecessário e seria vexatório. E foi tudo isso! O grande jornalista André Barcinski já havia cantado a bola eu seu texto Dunga vai dar saudades do Felipão e o castigo veio a cavalo dois anos depois.
DungaSaudades
E agora? Quem vai assumir a bomba? A CBF na pessoa do (mafioso) presidente Marco Polo Del Nero tratou de ir atrás daquela opção que deveria ter sido a primeira logo após o vexame na Copa do Mundo de 2014, e na noite de ontem passou mais de três horas reunido com o técnico Tite, atual campeão brasileiro pelo Corinthians.

A reunião não acertou nada, mas não tem mais pra onde correr, há um interesse e sonho por parte do técnico em assumir a seleção canarinho e há um desespero por parte da (máfia) CBF em atender o clamor da torcida brasileira e assinar com o melhor treinador do Brasil em atividade. Portanto daqui algumas horas, Tite pode ser noticiado como o novo treinador da seleção brasileira.

O que a minha humilde pessoa pensa a respeito disso? Ser técnico da seleção do país é o maior mérito que um treinador pode alcançar e Tite vem fazendo um trabalho magnífico no Corinthians. De 2011 a 2016, Tite conquistou seis títulos (dois Brasileiros, uma Libertadores, um Mundial, uma Recopa e um Campeonato Paulista). Em duas oportunidades teve que recomeçar o time do zero, em 2011 teve que remontar um Corinthians após a saída dos milionários Ronaldo e Roberto Carlos. E em 2015, após as saídas de Emerson Sheik e Guerrero, lá estava Tite com outro abacaxi enorme nas mãos, mas em ambas as oportunidades o técnico soube utilizar as peças a seu favor e se sagrou campeão nacional. Portanto, não há pessoa mais qualificada para o cargo do que ele mesmo para resgatar a moral e os bons costumes da velha seleção brasileira.

E ver, possivelmente, Tite na seleção brasileira depois do medíocre Dunga, me fez relembrar da noite em que o baterista Dave Lombardo subiu no palco com o Metallica.
DaveMetallica
Era ano de 2004 e o Metallica era a atração principal do Download Festival na Inglaterra, só que minutos antes do show o baterista do grupo, Lars Ulrich, teve um mal súbito e foi hospitalizado às pressas. Para a banda não cancelar a apresentação e causar uma revolta coletiva nos fãs, a solução foi convidar alguns bateristas de bandas que integravam o line up do festival para substituir Lars naquela ocasião. Joey Jordison, ex-Slipknot, foi um que encarou a empreitada e assumiu as baquetas em canções como Creeping Death, Enter Sandman, Sad But True e outros clássicos. Mas a presença de Dave Lombardo, na época no Slayer, atrás da bateria do Metallica foi o sonho de qualquer headbanger, por ser considerado por muitos o melhor baterista do gênero metal, por tocar de forma veloz, concisa e esbanjando técnica apuradíssima. Não foi à toa que quando o Metallica subiu no palco com Dave e juntos mandaram as poderosíssimas Battery e The Four Horsemen, ninguém mais se lembrava quem era Lars Ulrich.

Metallica W/ Dave Lombardo – (Battery / The Four Horsemen)

Não desmerecendo toda a trajetória de Lars Ulrich a frente do Metallica, afinal de contas falamos de um dos principais fundadores da banda e que esteve nas gravações de grandes petardos do Thrash Metal como a trinca: Kill ‘Em All (1983), Ride The Lightning (1984), e Master of Puppets (1986). No entanto a verdade é que de lá pra cá Lars não evoluiu mais nada como músico, ficou preso em sua fórmula musical e hoje toca de forma limitada e incoerente com o crescimento do Metallica. Diferente de Dave Lombardo que ao longo da carreira inovou a sua forma de tocar, esteve envolvido com diversos projetos musicais de inúmeros estilos aflorando ainda mais a sua musicalidade.

O mesmo acontece com Dunga e Tite, de um lado temos um “técnico” que teve em seu primeiro desafio como treinador à seleção do país. Nunca precisou se preparar para aquilo, ganhou de bandeja duas vezes o cargo mais cobiçado do mundo sem ter se provado para a tal tarefa. E comandando a seleção ele não mostrou inovação alguma e a mesma foi eliminada de todas as competições que disputou sob o seu comando apresentando o mesmo erro: despreparo. Já Tite sempre busca inovar, estar à frente do seu tempo. Quando o Corinthians o dispensou no final de 2013, o mesmo viajou para Europa e lá fez estágio nos melhores clubes do continente e quando retornou em 2015 para o Corinthians foi campeão brasileiro com esquemas inovadores.

Mesmo que a torcida Corinthiana chore a despedida do seu grande ídolo, o Brasil só tem a ganhar com Tite no comando da amarelinha. No entanto, esse é só o primeiro problema resolvido. Para recuperar o prestigio de ser torcedor brasileiro, precisa-se muito mais do que um Tite no comando, precisa de renovação e transparência principalmente na alta cúpula da CBF, é inadmissível que um bandido corrupto e torturador dos tempos da ditadura militar como o Marco Polo Del Nero continue na presidência da instituição. E também precisamos de um elenco forte, dedicado e que tenha amor à camisa.

Até a próxima, pessoal!!!

Fila Benário ou Vinícius Vieira de Oliveira (como é menos conhecido) é estudante de Jornalismo da FACCAMP e entre uns goles de Sprite, um Rock bem pesado, filmes do Quentin Tarantino e o seu amor incondicional pelo Coringão, mantém o blog musical Fila Benário Music desde 2009.

Os textos e charges publicados na categoria CONVIDADOS, apresentam e refletem a opinião dos mesmos, não necessariamente alinhando-se com a do Blog Futebol-Arte. Sua publicação tem o propósito de apresentar diferentes pontos de vista e estimular reflexões e debates.

#futebolemusica

Share Button

Manchester City pela primeira vez na semifinal da Liga. O Oasis não pode voltar, agora! – Por Fila Benário
1ManchesterCity
Fala galera querida, Fila Benário na área, dando mais chapéu que o Alex em cima do Rogério Ceni.

E o futebol, o nosso amado esporte bretão, tem nos presenteado com inúmeras surpresas. Quem imaginaria que ontem, após uma vitória heroica, o Palmeiras não avançaria para as oitavas de final da Libertadores? Em contrapartida, o seu rival Corinthians, que está com um elenco remendado e com o técnico Tite testando todas as formações possíveis, já se classificou para próxima fase do torneio sul-americano sem ao mesmo ter jogado ainda.

Mas essas surpresas não são apenas do nosso futebol brasileiro, não. Quem acompanhou essa semana a grandiosa Liga dos Campeões viu que lá o improvável aconteceu também.

Com certeza você já deve ter lido sobre os três gols (três gols sim, nada de Hat Trick, “fronhice do caramba”, já dizia Vitor Guedes do jornal Agora) do Cristiano Ronaldo que fez o Real Madrid atropelar o Wolfsburg e avançar para as semifinais. Como também já está careca de saber da queda do badalado trio MSN (é cada uma que me inventam) na derrota do Barcelona para o Atlético de Madrid.

Isso todo mundo noticiou e os gols foram reprisados a exaustão, mas o que o jornalismo esportivo esqueceu de noticiar foi o fato histórico do futebol europeu, a classificação inédita para as semifinais do inglês Manchester City. É meus amigos, com 136 anos de história, amargando alguns históricos rebaixamentos nos anos 90 para segunda e terceira divisão da liga inglesa, e conquistando um título nacional depois de 44 anos de jejum, os Citizens finalmente chegam a sua primeira semifinal da Liga dos Campeões da UEFA.

O caminho não foi fácil, aliás, ele foi tortuoso, na primeira partida das quartas de final, o Manchester City empatou com o Paris Saint-Germain na França, um resultado bom, afinal foram dois gols fora de casa, bastava o time segurar a vantagem em casa e não sofrer nenhum gol. E assim foi feito na partida de volta no City of Manchester, na última terça-feira, o belga Kevin De Bruyne marcou o único gol da vitória e colocou o Manchester City pela primeira vez em uma semifinal da Liga.
DeBruyne
Se você caro amigo, já leu as minhas linhas mal traçadas aqui nessa coluna (que comemora hoje 1 ano e 7 meses de existência) com certeza já deve ter se lembrado de dois irmãos marrentos que há muito tempo atrás estavam a frente de uma das maiores e mais cultuadas bandas dos últimos vinte anos, sim eles mesmos, os irmãos Liam e Noel Gallagher, do Oasis.
IrmaosGallagher
Em 2015 eu escrevi esse texto aqui Fazendo Música, Jogando Bola – Cinco anos sem Oasis e a paixão dos irmãos Gallagher pelo Manchester City relembrando alguns casos envolvendo os irmãos e o grande amor da vida de ambos, o Citizen. E foi no momento que a banda se separou, em 2009, que o City renasceu das cinzas e conquistou todos os seus títulos importantes, na ocasião, Noel Gallagher disse: “Quando o Oasis estava bem, o City estava uma merda, mas agora que nós nos separamos, o City está bem. Talvez venham bons momentos para o City, e isso vai tirar um pouco a dor da separação da banda”.

Tão bem o time está que conseguiu a sua primeira classificação para semifinal da Liga da UEFA e pode sonhar com o título mais cobiçado da Europa. Portanto, se a lógica do Noel Gallagher estiver correta, para felicidade dos torcedores do Citizen, é MUITO MELHOR que a banda continue separada, mas caso o Manchester City consiga passar pela pedreira que encontrará pela frente que é o Real Madrid, de Cristiano Ronaldo, e avance para a tão cobiçada final, pegando o vencedor de Atlético de Madrid e Bayern de Munique, na Itália, se for campeão, o Oasis deveria se reunir e fazer um show no Manchester of City, igual eles fizeram em 2005, para receber o título inédito.

Oasis – Live Manchester 2005 HD Full Concert

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos. Aqui eu já estou na torcida pelo City.

Até mês que vem!

Fila Benário ou Vinícius Vieira de Oliveira (como é menos conhecido) é estudante de Jornalismo da FACCAMP e entre uns goles de Sprite, um Rock bem pesado, filmes do Quentin Tarantino e o seu amor incondicional pelo Coringão, mantém o blog musical Fila Benário Music desde 2009.

Os textos e charges publicados na categoria CONVIDADOS, apresentam e refletem a opinião dos mesmos, não necessariamente alinhando-se com a do Blog Futebol-Arte. Sua publicação tem o propósito de apresentar diferentes pontos de vista e estimular reflexões e debates.

#futebolemusica

Share Button